quarta-feira, julho 14, 2010

Rasinho...

Desde crianças, ouvimos que mergulhar no raso é perigoso. Será um supercílio aberto, um corte no queixo, uma lesão na medula nos impossibilitando a execução dos movimentos e sabe-se-lá o que mais. Todo cuidado é pouco, então, fiquemos atentos para não nos machucarmos. Ok, o recado foi dado.

Escutar uma pessoa mais experiente é como mergulhar num mar profundo. Quem não se encanta com aquela criatura que possui a capacidade de formular as frases corretamente? Quem não se encanta com aquela criatura que possui o dom de concatenar as idéias de uma forma tão coerente e concisa, que sempre apresenta fundamentos para defender seu ponto de vista, ainda que com ele não concordemos? É um processo de construção interessante, digno de admiração e de aplausos. Pelo menos para mim.

Os executores desse processo não precisam trazer na bagagem alguma graduação em curso superior nem nada do gênero. Muitos, são graduados apenas na escola da vida, mas seduzem porque sabem, através das palavras, tocar com sutileza a nossa curiosidade, detendo nossa atenção. Costumam abrir a boca quando sabem exatamente o que estão afirmando. Não saem por aí falando qualquer coisa que ouviram em algum lugar, apenas a troco de receber acenos da sua platéia.

Escutar aquela criatura que se acha sábia é como mergulhar no raso: pode ser igualmente prejudicial à saúde. Extressa, detona a paciência, funde os neurônios. Não pela complexidade [antes fosse], mas pela verborragia do seu discurso. Pela capacidade de fazer afirmações bambas, sem base, sem fundamentos. Pelas risadas solitárias e amarelas após o término de cada frase. Famoso 'mala'.

Dar conselhos ou sugestões sobre o desconhecido pode causar máculas irreparáveis na credibilidade de alguém, não é mesmo? Nessas horas o silêncio vale ouro, cravado com diamantes. Daquelas jóias preciosas que guardamos no cofre, com segredo e alarme. Isso e o que mais se fizer necessário para que estratégicamente, a mudez nos resguarde do ridículo de não agradar, de ser inconveniente, e ser o único no recinto que não enxerga esse fato.

6 comentários:

Albuq disse...

Por isso tenho o maior cuidado com meus conselhos, geralmente só o ofereço quando me pedem, mesmo assim ainda friso " no meu caso, faria assim, porque penso assim... mas, você tem que ver o que te convém" xiiiiii acho que acabo confundindo mais kkkk

bem, tento fazer minha parte!
Massa o texto,
bjsss

Wolf34 disse...

É incrível ver como a cada ano que passa eu ainda preciso melhorar a minha capacidade de escutar. Mesmo me achando um bom ouvinte, sei que ainda posso melhorar em algum aspecto. E isso implica diretamente na forma como sou para dar conselhos. Nessas horas nada melhor do que aquela pessoa de sua confiança para puxar tua orelha e te mostrar o caminho certo. Vivendo e aprendendo.

Beijão!!!

Maria Valéria disse...

Sinceramente, conselho eu só dou qdo me pedem. e ainda assim, tento dar um jeito de dizer " isso é vc que tem que resolver, isso é vc que sabe, que tá sentindo ou deixandod e sentir"...

Me achar sábia?? tadinha de mim!! eu só sei o que é bom pra mim, ( e às vezez olhe lá... rsrsr)agora pros outros...???? fico na minha boquinha de siri, fechadinha... heheh
adorei seu texto.
beijos

Wendy Darling disse...

Prezada Mulher de 30 Anos [e mais alguns] deixo para você uma passagem de Pessoa:

"As palavras dos outros são erros do nosso ouvir, naufrágios
do nosso entender. Com que confiança cremos no nosso
sentido das palavras dos outros. Sabem-nos a morte, volúpias
que outros põem em palavras. Lemos volúpia e vida no que
outros deixam cair dos lábios sem intenção de dar sentido
profundo."

Livro do Desassossego

Beth Blue disse...

Eu sou como a Maria Valéria (eu tento ser): só dou conselho mesmo quando me pedem! E geralmente sobre situações que eu mesma já vivi...e portanto tenho experiência pra dar palpite.

Mesmo assim acho que dar conselho é uma arte, porque o que é bom pra gente pode não ser bom pro outro...enfim, tudo é relativo!!!

PS. Tem posts sobre a Tunísia lá no meu blog. ;-)

Labelle® Paz disse...

Estou aprendendo a observar mais e a opinar menos, bem menos, mesmo quando me pedem... Como tem gente difícil nesse mundinho, sô.....