sábado, abril 14, 2007

Covardia!

Você desistiu! Apesar de eu não imaginar que fosse capaz de desistir. Apesar de nem passar pela minha cabeça o quanto mudamos ao longo desses 10 anos que se passaram. Éramos inocentes e até ingênuos de certa forma, mas nos respeitávamos como respeitamos quem a gente admira. Isso não acontecerá mais. Passou do limite.

Quanta covardia! Minha admiração por você acabou. Foi para o ralo quando acabou nossa conversa.

Você fez o favor de me mostrar que em nenhum momento os sonhos que dizia ter poderiam se tornar reais. Eles nunca existiram e isso não passou de conversa para boi dormir. Para quê? Para fugir da sua realidade? Para fugir da vidinha medíocre que você leva? Estou chateada e me torno agressiva verbalmente. Com razão... Óbvio!

Porque para mim, se você gosta tanto de desafios, me encare como um e mostre que tudo isso vale à pena. Não desista! Amores, amizades, parcerias, não acabam assim, através de mensagens e sem qualquer contato visual. Que ridículo. Que fragilidade. Que imaturidade. Que descaso!

Se você gosta tanto assim de mim, olhe nos meus olhos, de verdade. Pelo menos mais uma vez na vida, com toda vontade, leia minha alma como se eu não precisasse mais dizer uma só palavra. Igual àquela noite em que tudo começou e que nos entendíamos perfeitamente, como se nos conhecêssemos há séculos.

Talvez nem precise ler minha alma novamente, porque é provável que você já faça isso todos os dias. Sabe reconhecer o que está nas minhas entrelinhas mais do que eu mesma, e antes mesmo que eu as escreva.

Através das minhas palavras, das minhas linhas, das páginas que escrevo e da minha história, eu tenho o prazer de fazer acontecer, e acreditei que você me daria o prazer desse sonho se tornar mais real.

Ou a realidade que se tornaria um sonho? Todo aquele sentimento não merece ser praticado? Ele nunca existiu? Acabou de repente? Não sei... Só sei que é e que continuará sendo.

E por isso que eu digo, repito e grito para quem quiser ouvir: Não desista!

4 comentários:

Luciano disse...

Perfeito seu texto! Tudo isso está à flor da pele? Duvido que ele desista, porque se desistir, eu encaro esse desafio. Quero ser seu amigo. Posso?

vania disse...

eu já desisti de uma pessoa!!

depois de quatro longos anos simplesmente criei coragem e dei um basta!!

mas me pergunto sempre, será que eu o amei mesmo?

quando a gente ama uma pessoa de verdade, compreendemos os defeitos dela!

eu não compreendi, ou melhor, não queria compreender!

simplesmente, larguei!

hoje, não me arrependo de maneira alguma, sei que foi pro meu próprio bem!!

amei seu texto!!

já era sua fã há tempos, agora que descobri esse lado escritora estou mais fã ainda!!

uma beijoca imensa!!!

Alice disse...

Seu blog é de utilidade pública! Já passei o link para vários amigos da nossa faixa etária.
Por incrível que pareça, também desistiram de mim nessa madrugada. Voltaram atrás. Ainda bem!
Espero que a pessoa do seu texto volte atrás porque a vida é curta demais como podemos constatar diariamente. Talvez nos momentos que mais precisemos dessas pessoas, o orgulho os mantém distantes e a falta se torna absurda. Boa sorte e tomara que a pessoa em questão leia o texto!

Due luni disse...

Irmã Peixa!
É engraçado como nós somos parecidas no quesito "acreditar que as pessoas podem ..."!
aff ... acho que nossas maiores decepções acontecem por acreditarmos e consequentemente, esperarmos que os outros ajam de uma maneira mais leal, mais sincera, mais aberta ... jogo limpo! Nem todos são assim, infelizmente!
E o tombo que tomamos a cada desilução dessas (sejam amigos, amores, parceiros ...) é muito maior do que a daqueles que são práticos, céticos e, talvez, discrentes no outro.
Tudo passa! A gente aprende! Um dia ou nós nos rendemos ao mundo ou o mundo se renderá à nós, seres-humanos que sentem as emoções à flor da pele!
Beijos da tua irmã peixinha caçula!!!